No dia 28/9:
JULIUS BASSIANUS: ROMANO E BUDISTA? INTERAÇÕES RELIGIOSAS E
CULTURAIS INDO-ROMANAS NO SÉCULO 2-3 D.C.
No período dos séculos 2-3 d.C., um fértil processo de interações culturais se desenrolava no Império Romano, que recebia missionários religiosos das mais diversas partes do mundo antigo. Dentre essas missões, o Budismo indiano se fazia presente no Mediterrâneo, o que nos é revelado por citações e fragmentos pontuais na documentação da época. Nessa comunicação, nos ateremos em analisar um busto presente no Museu Nacional Romano, atribuído a Julius Bassianus, importante aristocrata romano na época dos Severos, que teria supostamente se convertido ao Budismo - ou, associado sua imagem a uma estética orientalizada, o que denota um relevante nível de influência artística e cultural proveniente da Ásia. Com base nessa imagem, abordaremos os cruzamentos estéticos derivados da relação entre gregos, romanos e indianos budistas, cuja herança cultural resultante desse encontro permanece, até os dias de hoje, nos cânones da arte religiosa asiática.




O Duque Ai do Estado de Lu disse a Confúcio - "No Estado de Wei há um homem feio chamado Ait'ai (Feio) T'o. Os homens que convivem com ele não podem esquecê-lo. As mulheres que o vêem dizem aos pais - "Preferiria ser a concubina desse homem a ser a esposa de um outro". São muitas as mulheres que assim pensam. Ele nunca tenta dirigir os outros, mas apenas os segue. Não tem a seu dispor nenhum poder de governante pelo qual possa proteger as vidas dos homens. Tampouco tem fortuna amontoada com a qual lhes satisfaça os apetites e é, além disso, terrivelmente feio. Segue mas não dirige o seu nome não é conhecido além do próprio Estado. Todavia os homens e as mulheres procuram igualmente sua companhia. Assim deve haver nele algo diferente dos demais. Fui procurá-lo e verifiquei que é, na verdade, amedrontadoramente feio. Entretanto ainda não tínhamos estado muitos meses em contato quando comecei a ver que havia algo nesse homem. Antes de um ano comecei a confiar nele. Como meu estado necessitasse de um Primeiro Ministro ofereci-lhe o cargo. Olhou-me de mau humor antes de responder e pareceu-me que preferia declinar a oferta. Talvez não me julgasse bom demais para ele! De qualquer modo dei-lhe o cargo; porém dentro de muito pouco tempo ele me deixou e foi-se. Afligi-me como se tivesse perdido um amigo, como se não houvesse mais ninguém com quem eu pudesse viver alegremente em meu reino. Que espécie de homem é ele?"

Confúcio disse: [...] "Tal é a importância ligada à conservação de todo o corpo. Como não será mais valioso aquele que preserva sua virtude intacta? Ora, o Feio T'o nada disse e recebeu confiança. Nada fez e foi procurado e até lhe ofereceram o governo de um país com o único receio de que ele pudesse não aceitar. Na verdade, ele deve ser aquele cujos talentos são perfeitos e cuja virtude não tem exterioridades!".

Zhuangzi






CVIII.
[Alexandre, o Grande] Aprisionou dez sábios do país dos que andam nus e são chamados de gimnosofistas [budistas?]; estes haviam feito Sabas rebelar-se contra ele e causaram muito dano aos macedônios: e como eram tidos como os mais sagazes, mais sutis e mais breves em suas respostas, ele lhes propôs várias perguntas, que pareciam sem respostas, ordenando-lhes que as respondessem; do contrário, mandaria matar o primeiro que tivesse errado na resposta e todos os outros, depois: e um, dos que parecia o mais velho de todos foi o juiz das respostas.
A pergunta que fez ao primeiro foi: "Qual julgava ele seriam em maior número, os mortos ou os vivos? —- Ele respondeu que eram os vivos: porque, disse, os mortos não existem mais.
Ao segundo, perguntou, quem alimenta maior número de animais, a terra ou o mar?
Ele respondeu que era a terra, porque o mar é uma parte dela.
Ao terceiro qual é o mais astuto dos animais? Ele respondeu, que era aquele que o homem ainda não conheceu.
Ao quarto: por que havia feito Sabas rebelar-se. Para que, disse ele, vivesse honradamente ou morresse gloriosamente. 
Ao quinto: o que é mais antigo, o dia ou a noite? Ele respondeu: o dia, por um dia. E como o rei achasse que esta resposta era estranha, ele acrescentou: Para perguntas estranhas é necessário que as respostas também sejam estranhas.
Passando adiante, perguntou ao sexto: qual o meio pelo qual o homem mais se poderia fazer amar? Sendo muito bom e não se fazendo temer. 
Ao sétimo perguntou: como um homem poder-se-ia tornar deus? Fazendo algo impossível ao homem, ele respondeu. 
Ao oitavo: qual era mais forte, a vida ou a morte? Ele respondeu que era a vida, porque suporta todos os males. 
E ao último: até que idade é bom que o homem viva?
"Até que, respondeu ele, não se julgue o morrer melhor do que o viver". 
Ouvidas estas respostas, voltou-se para o juiz ordenando que pronunciasse as sentenças.
Este disse: "Todos responderam cada qual, um pior do que o outro". Então Alexandre retorquiu: "Tu morrerás por primeiro, tendo dado tal sentença". "Não o farás, Senhor, se não quiseres passar por mentiroso, porque tu mesmo disseste que farias morrer por primeiro aquele que tivesse respondido pior". Por fim ele os mandou a todos embora, dando-lhes ainda presentes.
[Plutarco em Vida de Alexandre, CVIII]









Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

08/03
um dia fizeram um dia
um dia só pra lembrar
lembrar que todo o dia é dia
é dia de as amar


...

Caro visitante: por uma série de razões diversas, alguns links não estão funcionando, mesmo com a presença dos textos no site. Caso algum link não aponte o texto, por favor, use a caixa de buscas acima ou no final da página. Obrigado! Para ver todos os livros publicados, clique aqui.

Escritos Acadêmicos

Um Pós Confucionismo?




Algumas dificuldades técnicas tem feito com que vários links e textos não sejam exibidos corretamente. Por essa razão, estou deixando esse link com quase todos os materiais produzidos entre 2000 à 2010 [quando foi escrito o texto abaixo sobre Civilização Indiana, último na coletânea]. A coleção não está corrigida, tendo alguns errinhos de digitação ou configuração. Deixo os links abaixo pra quem quiser acessar os textos diretamente - ou em caso de erro, procurar na caixa de buscas.



Coleção Especial
Escritos Sínicos, Vagares e Reflexões


Para ver todos os artigos, publicados em livro, clique aqui.
Alguns links abaixo podem não estar funcionando. Use a caixa de buscas lá em cima ou lá embaixo. Obrigado!

Futebol, Sinologia e História